Tashawn Bower se encaixa nos moldes para o protótipo dos DE’s dos Vikings

Eles passaram pelos exercícios de pass rush um após o outro, com molduras cinzeladas tão parecidas entre si, que parece que saíram de uma linha de montagem.

 

Os sete DE’s do elenco de Training Camp, com 90 homens dos Vikings, todos ficam entre 1,91 e 1,96, não mais leves que 111 kgs nem mais pesados que 124kgs. Seus longos braços se desenrolam como molas carregadas, prontas para empurrar o equipamento para trás ou para trazer o QB a grama.

 

Eles são maleáveis o suficiente para desviar da linha ofensiva, abruptos o bastante para passar pelos Guards em uma pressão pelo interior e flexíveis para ocasionalmente voltar para a cobertura de passe após sua presença forçar os coordenadores ofensivos a delegar bloqueadores para eles, gastando recursos que agora foram desperdiçados por engano.

 

“Nós gostamos que nossos DE’s sejam de uma certa forma, ” disse o técnico Mike Zimmer. “Mesmo que alguns dos jogadores no passado não sejam assim, eles têm 1,96, todos têm braços longos, são atléticos – eles têm basicamente o estereótipo de jogadores de basquete. ”

 

Este tem sido o modelo de pass rusher de Zimmer, listando seus dias com Tony Tolbert e Charles Haley em Dallas, e por seu tempo com Michael Johson e Carlos Dunlap em Cincinnati. Ano passado, Everson Griffen (1,91, 124kgs), Danielle Hunter (1,96, 114kgs) e Brian Robison (1,91, 117,5kgs) foram o único trio de DE’s da liga a marca pelo menos 7 sacks cada. Stephen Weatherly for adicionado ao grupo ano passado e Tashawn Bower deve ser o próximo.

 

Não ouvir falar de Bower? Dado o sucesso dos Vikings com pass rushers, seu nome deve ser um que você precisa aprender.

 

Ele teve um par de sacks nesta pré-temporada, liderando os Vikings e empatando como terceiro maior da NFL. Os Vikings deram a ele $45.000 em dinheiro garantido em abril – o quarto maior valor dado a um undrafted agente livre em 2017 – e ele possui uma chance decente de fazer o elenco final de 53 homens.Ele tem 1,96, 113,5kgs vindo de Louisiana State, com 85 cms de braço e com o terceiro tempo mais rápido entre os DE’s na corrida de 60 jardas do Combine. Ele foi listado como alguém “cru” no quesito pass rush, após 3 de seus 5,5 sacks no College virem em seu jogo de Final Bowl, mas o técnico de linha defensiva Andre Patterson começou a ter um contato regular com ele, antes do Draft, porque achou que tinha mais a extrair do jogador de 22 anos.

 

Parece familiar? Hunter tem praticamente o mesmo tamanho, mesma idade, veio da mesma escola e teve 4,5 sacks nos três anos de College.

 

“Ele e Danielle são grandes amigos, ” disse Patterson. “Então de minha conversa (com ele), ele já sabia quem eu era. Ele sabia o que já fizemos com Danielle. E no final do contato, quando tudo isso chegou ao fim e ele estava pra lá e pra cá, enquanto falávamos no telefone, [ele realmente estava], ‘Ei, você sabia que Danielle era de LSU e você também sabe o que ele é agora. Então você sabe que eu estou falando a verdade, se você vier pra cá, o que podemos fazer por você. ’”

 

A velocidade e o tamanho de Bower intrigaram os Vikings o suficiente para encontra-lo antes do Draft. Patterson e o assistente de linha defensiva Robert Rodriguez falaram com Bower regularmente nas três semanas antes do Draft e nos três dias durante o Draft. Quando Bower acabou não sendo selecionado, e acabou sendo procurado por mais de uma dúzia de times, seu relacionamento com Patterson ajudou a selar as coisas para os Vikings.

 

Os Vikings também usaram uma escolha de sétima rodada no DE de Northwestern Ifeadi Odenigbo, que teve um sack na sexta-feira à noite em Seattle, e ocasionalmente tem dado trabalho com o primeiro time para Weatherly, após ter usado uma escolha de sétima rodada por ele um ano atrás. O processo levou ao que Patterson chama de o grupo mais rico em talento de DE’s desde que a equipe de Zimmer chegou em 2014, e isso pode levar a algumas decisões difíceis durante o corte final em 02/set.

 

“Você pode pega-los na terceira, quarta, quinta [rodada], e algumas vezes na janela de transferências, ” disse Patterson. “Algumas pessoas olham apenas para os números totais do que o jogador fez em sua carreira, ao invés de olhar para, ‘Quais habilidades ele possui? ’”

 

Ainda existem muitos momentos ensináveis para Bower. No segundo quarto de sexta-feira, sua exuberância vinda do lado esquerdo da linha do Seahawks abriu um buraco para que o QB Russel Wilson pudesse fazer um scramble (jogada corrida de QB). No início do terceiro quarto, Bower colocou ambos os braços no peito de Rees Odihambo, mandando o OT para trás e finalizando com um sack em Trevone Boykin.

 

Após seu retorno a lateral do campo, ele ouviu Patterson dizer, “Em algum momento, você vai confirmar em mim, ” provocando risos e o apoio de Hunter.

 

O processo continua produzindo aterrorizantes pass rushers. Bower pode ser o novo modelo.

 

“São [aprendendo] os ângulos, o jeito que você alinha o corpo para encarar uma certa jogada, a posição das mãos, todos os pequenos detalhes que ninguém se preocupa, mas que são as maiores coisas, ” disse Bower. “Eu definitivamente já ouvi isso antes, mas é ensinado de forma mais precisa aqui. E provou ser bem-sucedido. ”

Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

MVP – Minnesota Vikings Podcast 055 – Vikings NFL Draft 2019

02.05.2019

1/5
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Vikings FA é um site sobre o Minnesota Vikings em português sem qualquer vínculo com o time da NFL. Toda informação contida no site é de responsabilidade do criador deste ou, quando traduzido, do autor de determinado texto e não reflete qualquer opinião do Minnesota Vikings, da NFL, ou qualquer outro time da liga.

© 2017-2019 por VikingsFA.