Como os Vikings irão contar com Latavius Murray para seguir o que Dalvin Cook deixou?

 

EDEN PRAIRE, Minn. – Em apenas 4 semanas, Dalvin Cook teve o maior papel no renascente ataque do Minnesota Vikings. Um jogo corrido que terminou morto em último lugar em 2016 mostrou consideráveis sinais de reestruturação num ataque transformado em algo mais balanceado, mais agressivo.


Mike Zimmer chamou o rápido e ágil RB com grande capacidade de jogo de “inacreditável”. Cook foi de longe a ameaça mais versátil que o Minnesota tinha. Ele podia fazer jogadas saindo do nada e correr eficientemente com uma carga de trabalho pesada, que incluía proteção contra blitz e recepções de passes.


Com os Vikings se preparando para manejar o resto da temporada sem seu calouro estrelar, que rompeu seu ligamento anterior cruzado neste domingo, está de volta ao quadro de desenhos. O ataque não pretende perder seu poder de fogo, mas terá que reavaliar como continuar esta abordagem com os outros RB’s do elenco.


Latavius Murray finalmente terá sua chance de fazer o que foi contratado para, quando assinou seu contrato de 3 anos, $15 milhões com os Vikings em março. Murray era colocado como o cara que substituiria Adrian Peterson, mas sua cirurgia no tornozelo nesta intertemporada o deixou inativo, permitindo que Cook conquistasse a vaga de titular.


Murray foi um dos melhores RB’s bloqueadores de passe em 2016, recebendo a nota de 83,5 do Pro Football Focus. Com a força da linha ofensiva dos Raiders, Murray não precisou lidar com muitas tarefas perdidas, mas ele mostrou que pode reduzir as pancadas no QB, lidando com os defensores extras enviados pelos oponentes.


Sua reputação de grande, físico que provem força nas jogadas corridas e versatilidade para correr saindo do centro ou da formação de Shotgun. Ele possivelmente não tem a visão e paciência de corredor de Cook, nem a habilidade de ganhar tantas jardas após o contato. Murray, contudo, tem ótima aceleração e pode fugir e vencer os defensores das extremidades da linha defensivas.


A diferença entre Murray de 2015 e 2016 com os Raiders é que se tornou mais eficiente como um todo, do que apenas uma “vaca de sino”.


Em 2015, Murray começou todas as 16 partidas e correu 266 vezes. Naquela temporada, ele alcançou 1066 jardas terrestres e 6 TD’s, com uma média de 4,0 jardas por carregada. Ele não teve muito suporte no fundo do campo, o que forçou o QB Derek Carr a colocar um pouco desta responsabilidade em si mesmo. O segundo RB mais produtivo foi Jamize Olawale, o FB dos Raiders que teve meras 24 carregadas para 110 jardas e 1 TD. Murray fez o Pro-Bowl naquela temporada como alternativa, mas ganhou seu lugar no elenco da AFC quando o RB Jonathan Stewart dos Panthers jogou o Super Bowl.


Após 1 ano, Murray viu sua carga de trabalho reduzir, mas se tornou um corredor mais eficiente. Durante a temporada de 2016, ele essencialmente dividiu tempo com DeAndre Washington e Jalen Richard. Os dois calouros juntos, combinaram para 958 jardas e 3 TD’s, enquanto Murray, em 12 partidas como titular, correu 195 vezes para 788 jardas, o que ainda mantem a média de 4,0 jardas por corrida que ele totalizou um ano antes. Mas sua produção foi diferente. Claro, grande parte do crédito vai para os bloqueios providos pela linha ofensiva dos Raiders, mas Murray foi melhor quando acionado para causar danos em certas situações. Ele foi a ameaça número 1 de Oakland em jogadas de goal-line, anotando 10 de 12 TD’s na última temporada dentro da linha de 5 jardas.


Murray deve manusear o trabalho no jogo corrido, mas ele provavelmente não será a sensação que foi Cook nas quatro primeiras semanas. Minnesota deverá usar Murray em alguns cenários e contar com Jerick McKinnon nas descidas de passe. Murray teve 41 recepções para 232 jardas na temporada passada, mas McKinnon é melhor recebedor entre os dois.


Murray disse nesta segunda-feira que seu tornozelo ainda não está 100% após sua cirurgia, mas ele sente que pode jogar em alto nível e carregar uma alta carga de trabalho no lugar de Cook. Será isso 20-25 carregadas por jogo? Talvez. Independentemente do que os Vikings acharem que seja melhor para ele no jogo, Murray deve liderar o time em carregadas daqui pra frente.


Até agora nesta temporada, ele não tem visto muita ação, e enquanto tendo, Murray parece estar sentido um certo desanimo. Após a lesão de Cook contra os Lions, Murray o substituiu para 7 carregadas e 21 jardas. Ele chegou próximo da linha de 3 jardas no quarto tempo, mas não conseguiu atravessar a bola.


“Para mim, pessoalmente, acho que enquanto estive lá, poderia ter feito melhor, ” disse Murray. “Eu acho que preciso ficar com este pensamento e continuar a melhorar enquanto estiver no campo todos os dias nos treinos e levar isso para segunda-feira agora e para o resto do ano. ”


Poderá levar vários jogos para que Murray esteja confortável com seu novo papel. O fato dele se sentir bem o suficiente para trabalhar significativamente mais é um bom sinal. Com seu conjunto de habilidades, os Vikings esperam não precisar mudar muito seu estilo seguindo adiante sem Cook.

Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

MVP – Minnesota Vikings Podcast 055 – Vikings NFL Draft 2019

02.05.2019

1/5
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Vikings FA é um site sobre o Minnesota Vikings em português sem qualquer vínculo com o time da NFL. Toda informação contida no site é de responsabilidade do criador deste ou, quando traduzido, do autor de determinado texto e não reflete qualquer opinião do Minnesota Vikings, da NFL, ou qualquer outro time da liga.

© 2017-2019 por VikingsFA.