Preview jogo 06 – Temporada Regular: Minnesota Vikings x Arizona Cardinals

É isso aí, mais uma semana se passou e no próximo domingo temos nosso Vikão mais uma vez em campo, dessa vez contra o Arizona Cardinals.

Essa foi uma semana onde voltamos a nos alegrar com a equipe. Afinal, nossa defesa voltou a jogar um bom futebol, nosso ataque aéreo mais uma vez terminou a partida voando (literalmente), e por mais incrível que pareça, contamos com um Field Goal nos minutos finais para ajudar a vencermos a partida contra a fortíssima equipe do Philadelphia Eagles.

Para o próximo domingo vamos ter uma partida (literalmente, de verdade) fácil, vamos enfrentar uma das piores (se não a pior) equipe da temporada até o momento, os Cardinals. Eles vêm para a partida como zebra nas casas de apostas, são uma das piores equipes em jardas ofensivas, uma das equipes que menos pontuaram, uma das piores cedendo jardas terrestres, problemas com seus QB’s, entre outros...

Não, não é um “déjà vu”, mas a situação deles é bastante parecida com o que vivia o Buffallo Bills na semana 3 quando nos enfrentaram, e infelizmente aquela partida não terminou da maneira que gostaríamos. Por isso, mais do que tudo, precisamos entrar ligados e muito concentrados neste jogo, até porque, na última rodada eles conseguiram sua primeira vitória, em cima do San Francisco 49ers (bastante desfalcado e sem seu QB titular, Jimmy Garoppolo é verdade), e com certeza vão vir muito motivados.

Após duas partidas complicadíssimas fora de casa, os Vikings voltam a jogar no US Bank Stadium, e essa é uma partida de suma importância onde a derrota não é nem sequer uma opção. Vale lembrar que os Vikings venceram os últimos 9 confrontos contra os Cardinals jogando em casa (Hubert H. Humphrey Metrodome e U.S. Bank). 

 

 

Sobre o adversário: Arizona Cardinals


O Arizona Cardinals é o time mais antigo ainda em atividade na NFL, e foi fundado em 1898 com o nome de “Morgan Athletic Club”, por um grupo de amigos do sul de Chicago.

Após alguns anos jogando amadoramente a equipe começou a se profissionalizar, e em 1901 diz a lenda que seu principal fundador, Chris O’Brien, comprou alguns uniformes usados para a equipe da Universidade de Chicago. Todos falavam que os uniformes tinham uma cor meio Castanho-Avermelhada, mas O'Brien disse “Isso não é Castanho-Avermelhado, é Vermelho Cardinal”, por conta disso a origem do nome “Cardinals”.

Portanto, em 1906 pela falta de campeonatos em Chicago a equipe fechou as portas, voltando apenas em 1917 e novamente fechando em 1918 por conta da Primeira Guerra Mundial.

A equipe voltou em 1920 e com o nome de Chicago Cardinals conseguiram faturar seus dois únicos títulos da franquia, o polêmico campeonato de 1925, e a final de 1947.

Em 1925 eram as próprias equipes que montavam seus calendários, e o campeonato era decidido numa espécie de pontos corridos. Os Cardinals foram derrotados pelo já extinto Pottsville Maroons, por 21 a 7, e estavam perdendo o campeonato, já que os Maroons haviam assumido a ponta com 10-2 contra 9-2-1 dos Cardinals. Assim então, o time de chicago marcou rapidamente mais duas partidas, contra as duas piores equipes da liga na época, vencendo as duas partidas e levando assim um campeonato bastante controverso.

O’Brien (fundador dos Cardinals) percebeu o que havia feito e se recusou a receber o título. Durante a reunião dos donos das franquias, ele disse que não sentia que sua equipe merecia receber o título no lugar de um time que os derrotaram de forma justa. O título de 25 nunca foi entregue a ninguém oficialmente.

Já em 1947 a equipe enfrentou o Philadelphia Eagles na grande final, e contando com três grandes corridas e mais um excelente retorno de punt, os Cardinals venceram por 28 a 21. Está foi a última conquista da equipe, que já está há mais de 70 anos sem um título (maior seca de toda a liga).

Após isso a equipe foi para St. Louis, porém, em 28 anos eles chegaram aos Playoffs por apenas três vezes, e sem muito apoio. Em 1987 eles se mudaram para o estado de Arizona, jogando em Phoenix, onde viraram os Phoenix Cardinals, nome mudado apenas em 1994 para Arizona Cardinals (que perdura até o atual momento).

De lá para cá a grande campanha de destaque da equipe foi em 2008, liderados pelos lendários Kurt Warner (QB) e Larry Fitzgerald (WR), a equipe conseguiu chegar ao seu primeiro e único Super Bowl, o Super Bowl XLIII.

Os Cardinals por muito pouco não saíram vitoriosos daquela partida, conseguindo uma virada nos últimos dois minutos do jogo, e que durou até os momentos finais, quando lideravam o placar por 23 a 20. Porém, faltando apenas 35 segundos para o final da partida, numa ótima campanha de “Big Ben” Roethlisberger que conectou um lindo passe para Santonio Holmes, a final estava decretada, touchdown Steelers e grande decepção para todos os torcedores dos Cardinals.

Agora com um novo QB a expectativa é de que uma nova era surja em Arizona e que eles possam enfim, voltar a almejar grandes coisas.

 

 

Match Up do jogo: Adam Thielen/Steffon Diggs x Patrick Peterson

 

Hoje Thielen e Diggs formam sem dúvida nenhuma a melhor dupla de WR’s de toda a liga.

Diggs continua fazendo jogadas absurdas, principalmente depois da recepção com seus cortes secos e habilidade para tirar a marcação da jogada, e Thielen é hoje um dos recebedores mais seguros e tem uma capacidade fora do comum em realizar rotas com perfeição.

Ambos somam para 84 recepções, 991 jardas, 6 touchdowns e muitas dores de cabeça para as secundárias adversárias.

Entretanto, o matchup desta partida será desta dupla contra um dos grandes CB’s da história da NFL, Patrick Peterson.

Peterson tem 28 anos, foi selecionado 7x para o Pro Bowl (2011-2017), tem 340 tackles, 72 passes defendidos, 22 interceptações, 2 fumbles recuperados e 5 touchdowns. E este promete ser o maior desafio para a dupla de recebedores até o momento.

O CB que sempre é o responsável da equipe para tentar anular o melhor recebedor adversário deverá ficar na cola tanto de Diggs, quanto de Thielen, dependendo da jogada e da formação de nosso ataque.

E este será um matchup sensacional, pois Diggs tenta mostrar que realmente é um dos mais habilidosos WR da liga e Thielen tenta chegar ao sexto jogo seguido com pelo menos 100 jardas recebidas. Mas vale lembrar que do outro lado, o único recebedor que passou das 100 jardas contra Patrick Peterson foi Brandin Cooks, 159, na segunda rodada. De lá para cá, os principais WR’s que foram marcados por Peterson (Allen Robinson, Tyler Lockett e Pierre Garçon) anotaram apenas 50, 53 e 47 jardas respectivamente e nenhum touchdown.

 

 

Pontos fortes Cardinals: Ele pode não ser o salvador da pátria e nem um dos candidatos a MVP da temporada, mas é a aposta dos Cardinals e que parece estar no caminho certo para se desenvolver em um bom QB, seu nome é Josh Rosen.

O novato assume a posição de comandante titular da equipe, deixando o veterano Sam Bradford no banco.

Com a entrada de Rosen a equipe não se tornou uma das favoritas ao título do Super Bowl, mas é inegável que os Cardinals começaram a jogar melhor ofensivamente.

Enquanto Bradford era o QB, a equipe havia marcado apenas 14 pontos vindos de touchdowns aéreos, e alcançando 400 jardas em 3 partidas, além de 4 interceptações e um péssimo rating de 62.5 (2° pior da liga). Já com Rosen no time, são também 14 pontos oriundos de touchdowns aéreos e 350 jardas lançadas, mas em apenas 2 partidas como titular e sem nenhuma interceptação (contando apenas as duas partidas como titular).

O ataque que havia feito 20 pontos em 3 partidas com Bradford no comando, fez 45 em apenas 2 partidas sendo liderados pelo novato, inclusive uma vitória no último final de semana.

Como citado acima, Rosen pode não ser o melhor QB da liga, até porque está em seu ano de estreia e em fase de desenvolvimento, mas sofremos bastante com Josh Allen dos Bills, então, é necessário manter o foco na partida e não deixar Rosen se sentir à vontade no pocket em momento nenhum do jogo.

 

Pontos fracos Cardinals: Por mais que Rosen esteja ainda iniciando sua vida como jogador profissional, e o ataque dos Cardinals dê sinais de melhora, eles ainda têm um longo caminho pela frente e isso pode (e deve) ser muito aproveitado pela nossa defesa.

O ataque dos Cardinals é hoje o pior da liga em jardas totais e o segundo pior em pontos totais marcados (média de 13 pontos por partida).

Para se ter uma ideia, os Cardinals não tiveram ainda nenhum RB ou WR passando das 100 jardas em um jogo.

Em questão de elenco a equipe dos Cardinals não é tão fraca quanto parece, o interior da OL é bastante competente (contam com bons nomes, como Mike Iupati e Justin Pugh), no backfield eles têm David Johnson que é um dos melhores RB’s da liga, e o corpo de recebedores conta como por exemplo com o lendário Larry Fitzgerald e também com o novato, Christian Kirk, que veio de Texas A&M.

Com uma defesa ainda procurando acertar os pontos, mas com alguns bons nomes no ataque, os Cardinals podem deixar de ocupar a última posição em diversos power rankings que estão sendo divulgados semanalmente lá fora, não são uma das grandes equipes da liga, mas também não deveriam figurar entre as piores.

 

Pontos fortes Vikings: Depois de várias partidas podemos finalmente citar nossa defesa novamente como ponto forte. Forte não, fortíssimo! Isso porque nossos craques voltaram a brilhar e contra um grande ataque liderado por Carson Wentz.

Foram 3 sacks, 2 fumbles forçados e recuperados (um inclusive para o mitológico touchdown do monstro Linval Joseph, nosso capitão) e uma baita apresentação defensiva (principalmente no primeiro tempo da partida).

Foi a primeira vez na temporada que nossa defesa realmente jogou bem, mas ainda assim é necessário que eles joguem cada vez melhor para que nossa equipe volte a ser lembrada por ter a melhor defesa da NFL.

Os Cardinals têm hoje o segundo pior ataque de toda a liga, e esse pode ser um prato cheio para nossa defesa fazer mais uma grande partida, principalmente Xavier Rhodes, que ainda não brilhou neste ano.

Um ponto interessante é que, Harrison Smith, Danielle Hunter e Xavier Rhodes, em duas partidas contra os Cardinals acumularam juntos 25 tackles, 4 sacks, 4 tackles for loss, 3 interceptações (duas delas retornadas para touchdown) e 5 QB hits. Números bastante expressivos e que se mantiverem a média com certeza nos farão ficarmos bem próximos de uma vitória.

 

Pontos fracos Vikings: O que aconteceu com nosso jogo terrestre?! Essa é a pergunta que todos nós torcedores estamos nos fazendo.

Até o momento são 96 tentativas de corrida (2° pior marca da liga), 329 jardas totais (3° pior marca), única equipe da liga sem nenhum touchdown terrestre e a corrida mais longa foi para apenas 20 jardas (2° pior marca). Esses são números pífios e realmente nos fazem entender por qual motivo Kirk Cousins é o segundo QB em jardas totais.

A equipe dos Vikings possui, Dalvin Cook, Latavius Murray, Mike Boone e Roc Thomas no backfield (um bom grupo de RB’s), porém Cook ainda não conseguiu se manter saudável e nem entrar no ritmo, Murray não está conseguindo encaixar seu jogo como foi ano passado, e Boone e Thomas são novatos que ainda precisam se desenvolver. Além de tudo isso, precisamos salientar que a linha ofensiva do time não é nem de longe uma das melhores da liga, e não estão conseguindo abrir espaço para corridas. São diversos tackles sofridos atrás da linha de scrimmage, e temos uma péssima média de jardas por jogadas de 3.4 (3° pior marca da liga).

Uma boa proteção da OL, e a volta de Cook (que ainda não está confirmado para a partida) serão essenciais para que possamos engrenar e fazer com que nosso jogo terrestre comece a fazer a diferença, e quem sabe assim alcançarmos nosso primeiro TD terrestre da temporada. As boas atuações dos RB’s, principalmente de Cook, serão extremamente importantes, principalmente nessa segunda metade do campeonato, para que nosso ataque não fique unilateral e totalmente previsível apenas com os passes de Cousins.

 

 

Jogadores contundidos:

 

Arizona Cardinals:
Out (Fora): -

Doubtful (Duvidoso): -

Questionable (Questionável): OL Mike Iupati, OL Andre Smith, OL D.J. Humphries, DE Markus Golden, RB Chase Edmonds, DT Robert Nkemdiche

 

Minnesota Vikings:
Out (Fora): DE Everson Griffen, OL Riley Reiff, S Andrew Sendejo, DE Tashawn Bower

Doubtful (Duvidoso): -
Questionable (Questionável): RB Dalvin Cook

 

 

Para ficar de olho: 

 

Kirk Cousins – Kirk Cousins se tornou o primeiro jogador da história da NFL a completar pelo menos 30 passes em 4 partidas seguidas. Segundo em jardas totais, quinto em percentual de passes completos e sétimo em rating. E isso não é pouco, o novo QB dos Vikings está jogando em altíssimo nível e vem se tornando um dos líderes e melhores jogadores da equipe. O entrosamento com Diggs e Thielen é notável, e a cada partida que passa sua sintonia com os demais recebedores (principalmente Laquon Treadwell e Kyle Rudolph) aumenta. Neste domingo ele vai ter a chance novamente de ampliar seus status e por mais uma semana se consolidar como um dos melhores QB’s da temporada.

 

Adam Thielen – Ele se tornou o primeiro jogador a partir da era Super Bowl a terminar as cinco primeiras partidas da temporada acima das 100 jardas. Também é necessário destacar seu overall grade de 90.1 (um dos melhores da liga), além de ser atualmente um dos melhores e mais confiáveis alvos para o QB. Thielen está indiscutivelmente em sua melhor fase, e já até figura como um possível MVP da temporada. Neste domingo ele vai enfrentar talvez seu maior desafio na temporada, Peterson, e este será sem dúvidas nenhuma um duelo para ninguém perder. Será que Thielen termina mais uma vez a partida para mais de 100 jardas recebidas?!.

 

Danielle Hunter – Hunter e Khalil Mack (dos Bears) são os únicos jogadores da liga a conseguir um sack em cada uma das partidas disputadas até o momento. Com a ausência de Everson Griffen ele se tornou primordial em nossa linha defensiva e vem correspondendo cada vez melhor. Hoje Hunter figura entre os 10 melhores jogadores em números de sacks abaixo dos 24 anos (ele fará 24 anos dia 29/10), com 30.5 sacks na carreira. Só para uma breve comparação, com a mesma idade Von Miller tinha anotado “apenas” 30 sacks. A linha ofensiva dos Cardinals não é fraca, cederam apenas 9 sacks em seus QB’s, porém, o caçador está jogando cada vez melhor, e ao lado de Linval Joseph e Sheldon Richardson ele não vai deixar barato.

 

Stephen Weatherly – Weatherly entrou no que mais parecia ser uma enrascada, substituir ninguém menos do que um dos capitães e melhores jogadores da equipe, Everson Griffen (com problemas pessoais), entretanto, o jovem jogador mostrou que tem potencial e conseguiu dar conta do recado. Nas três partidas como titular ele acumulou 9 tackles, 2 sacks e um fumble forçado, são ótimos números. Ainda há muito a desenvolver, até porque estamos o comparando com Griffen, que é uma máquina dentro de campo, mas realmente Weatherly não deixou a qualidade do jogo cair e está fazendo ótimas apresentações, independentemente se Griffen irá voltar logo ou não, sabemos que nossa defesa já tem um bom nome para as próximas temporadas.

 

Palpite do redator:

 

Vikings 24 x 13 Cardinals

 

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Redator VikingsFA: Gabriel Brandino  

Tags:

Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

MVP – Minnesota Vikings Podcast 055 – Vikings NFL Draft 2019

02.05.2019

1/5
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Vikings FA é um site sobre o Minnesota Vikings em português sem qualquer vínculo com o time da NFL. Toda informação contida no site é de responsabilidade do criador deste ou, quando traduzido, do autor de determinado texto e não reflete qualquer opinião do Minnesota Vikings, da NFL, ou qualquer outro time da liga.

© 2017-2019 por VikingsFA.