Preview jogo 13 – Temporada Regular: Minnesota Vikings x Seattle Seahawks

E no duelo entre ataque e defesa da última semana, melhor para o ataque do New England Patriots, que conseguiu dominar a partida e vencer até com certa facilidade o Minnesota Vikings. Nossa defesa não jogou tão mal, mas sofreu alguns apagões decisivos durante a partida, diferente de nosso ataque, comandado pelo apático Kirk Cousins, que não conseguiu sequer nos empolgar, mais uma partida bastante fraca e com uma derrota pra lá de decepcionante.

A boa notícia é que mesmo com a derrota, a equipe permanece hoje entre os classificadas para o Wild Card, algo que não acontecerá na próxima segunda-feira caso o resultado não seja uma vitória contra o Seattle Seahawks, um de nossos rivais diretos.

Os Seahawks vêm de uma boa vitória contra o San Francisco 49ers, por 43 a 16. E estão invictos há 3 partidas (contra os 49ers, Green Bay Packers e Carolina Panthers). Russell Wilson vem jogando cada vez melhor, conseguindo um rating de 140.9 na última partida, assim como o ataque terrestre da equipe, que vem se consolidando como um dos melhores da liga.

A partida será no CenturyLink Field, e será mais um jogo em horário nobre para os Vikings, na segunda-feira (10/12) no Monday Night Football.

Vikings e Seahawks se enfrentaram apenas 15 vezes, e a vantagem está do lado da equipe de Seattle, 10 vitórias (incluindo os últimos 4 confrontos) e 5 derrotas.

 

 

Sobre o adversário: Seattle Seawhawks


O Seattle Seahawks foi fundado originalmente em 1974, quando a NFL concedeu ao “Seattle Professional Football Inc.”, que até então era um grupo de empresários locais, uma franquia para a cidade. Até então não existiam times na região noroeste.

Apenas no ano seguinte, em 1975, o nome Seattle Seahawks é oficializado depois de um concurso público com mais de 1.700 sugestões de nomes diferentes. E em 1976 a equipe ingressou na NFL.

Os primeiros anos na liga não foram fáceis, e a equipe não conseguiu fazer nada de extraordinário, apenas com a chegada do técnico Chuck Knox eles começaram a melhorar gradativamente seus resultados, e em 1983 os Seahawks chegaram a final da AFC. A equipe liderada pelo QB Dave Krieg e pelo WR membro do Hall da Fama Steve Largent chegou aos playoffs quatro vezes no período de 1983 a 1988.

Depois de 1988 novamente o time se viu fazendo temporadas bastante fracas e decepcionantes. 14 anos depois, com a chegada do técnico Mike Holmgren a franquia voltou a brilhar. Os Seahawks chegaram aos Playoffs por cinco temporadas seguidas de 2003 a 2008 e em 2005 disputou seu primeiro Super Bowl. A equipe era liderada pelo ótimo QB Michael Hasselbeck e pelo MVP da temporada, o RB Shaun Alexander, porém, mesmo assim acabaram derrotados para o Pittsburgh Steelers, de Ben Roethlisberger, por 21 a 10.

Em 2010 a franquia de Seattle começou uma reformulação que traria excelentes resultados, a começar pela posição principal de HC, para o cargo chegou, Pete Carroll, que já trabalhou nos Vikings como treinador de DB’s, e estava até o momento treinando a universidade de USC.

Com a chegada de Carroll, os Seahawks começaram a acertar absurdamente na hora de trazer jogadores novatos do Draft, com ele vieram, Earl Thomas III, Richard Sherman, Bobby Wagner, Russell Wilson e etc.

E pouco tempo depois este time começou a brilhar, na temporada de 2013 com Wilson jogando partidas excelentes e a defesa se destacando e tendo sua secundária apelidada de “Legion of Boom”, eles conseguiram chegar no segundo Super Bowl da história da franquia. A dessa vez a história foi diferente, jogando contra o Denver Broncos de Von Miller e Peyton Manning, os Seahawks não deram nenhuma chance e simplesmente destruíram a equipe de Colorado, 43 a 8 foi o placar final.

No ano seguinte a equipe novamente fez uma temporada acima da média, e chegou novamente ao Super Bowl, dessa vez contra o New England Patriots. E a partida estava bastante disputada até o final, quando os Seahawks tiveram a chance de vencer o segundo título de SB da franquia. Até que, faltando pouco mais de 20 segundos para o final do jogo, os Seahawks estavam na linha de uma jarda, numa 2nd & Goal, e mesmo com um dos melhores RB’s da liga naquele ano em campo, Marshawn Lynch, eles optaram por um passe (que ninguém entende até hoje) que foi interceptado pelo calouro, Malcom Butler, dando assim a vitória para os Pats, por 28 a 24.

Um fato interessante da franquia, é que seus fãs são conhecidos como um dos mais barulhentos do mundo. A camisa 12 deste time é aposentada em homenagem a eles, que ostentam um recorde pelo Guiness Book. Foi depois de um touchdown épico marcado por Lynch, contra o New Orleans Saints na temporada de 2013. Naquele lance um sismógrafo localizado na Universidade de Washington registrou um pequeno tremor de terra por conta da comemoração dos torcedores dentro do estádio.

 

 

Match Up do jogo: Minnesota Vikings x jogos na Prime Time

 

Sim, é isso mesmo. O maior desafio dos Vikings nessa partida, somos nós mesmos!

Os Vikings jogaram este ano contra o Los Angeles Rams, New Orleans Saints, Chicago Bears e Green Bay Packers em horário nobre, e tirando a última partida, foram 3 derrotas ridículas.Contra os Rams, tudo bem que eles têm um dos melhores ataques da liga, porém, tivemos possivelmente a pior atuação defensiva dos últimos anos, inclusive cedendo um rating perfeito de 158.3, para Jared Goff.

Contra os Saints, tínhamos tudo para vencer o jogo, entretanto, fumbles, sacks e interceptações não deixaram isso acontecer.

Já contra os Bears, fizemos defensivamente uma partida quase que perfeita, e ofensivamente um jogo que beirou a tragédia total. Uma vitória que poderia ser relativamente fácil e nos deixaria na liderança da divisão, acabou se tornando uma derrota em certo ponto até que vexatória. Os Vikings têm um ótimo corpo de treinadores, ótima profundidade de elenco e vários jogadores com nível de Pro-Bowl, não atoa entrou na temporada como um dos favoritos ao Super Bowl, porém, é necessário parar de perder jogos devido aos próprios erros, coisa que se tornou recorrente na temporada atual.

Contra os Seahawks, os Vikings terão a chance de fazer diferente, e começar a retomar a confiança necessária para que a equipe volte a encontrar o caminho do sucesso.

Vale lembrar que, falando em jogos de Sunday Night Football, desde 2006 (quando o SNF foi introduzido ao seu novo formato, pela NBC), os Vikings combinam para 6 vitórias e 10 derrotas.

E referente ao Monday Night Football (que é o jogo desta rodada), os números são um pouco melhores, mas ainda fracos. Deste 1990, a equipe tem 17 vitórias e 20 derrotas

 

 

Pontos fortes Seahawks: Poderíamos falar aqui do principal jogador da equipe, Russell Wilson. Entretanto, por incrível que pareça não é o QB o jogador que mais têm se destacado na equipe este ano.

O destaque aqui vai para o grupo de RB’s da franquia, eles lideram a NFL em jardas terrestres totais, com 1786, e uma média de 148.8 por partida. O segundo-anista, Chris Carson, têm 704 jardas totais e 4 touchdowns, o já experiente, Mike Davis, têm 396 jardas e 3 touchdowns, e o novato, Rashaad Penny, acumulou 369 jardas e 3 touchdowns. Além destes, o próprio Russell Wilson, famoso por ser um QB bastante móvel, correu para 245 jardas.

A equipe tem um ótimo RB titular, e ótimos backups, além de diversificar bastante seu playbook, usando muitas jogadas de Conter, Power Play, Jet Sweep e até mesmo o Read Option, especialidade de Wilson.

Do outro lado, nós temos a 7° melhor defesa da liga contra o jogo terrestre, e esse com certeza será o melhor desafio da temporada para Linval Joseph, Danielle Hunter, Eric Kendricks (principalmente Kendricks) e companhia.

 

Pontos fracos Seahawks: A defesa dos Seahawks pode não ser das piores da NFL, eles estão em 20° lugar em jardas totais (367.4), 19° em jardas aéreas (250.7), e 17° em jardas terrestres (116.8). Entretanto, para uma defesa que era conhecida como “Legion of Boom”, perder jogadores importantes na secundária como, Richard Sherman, que foi para o San Francisco 49ers, e jogadores como Kam Chancellor e Earl Thomas III, ambos na IR, fazem a equipe decair bastante dentro de campo.

Michael Bennett e Cliff Avril, foram outros dois jogadores que eram titulares absolutos e que deixaram a equipe. Além deles também podemos citar Sheldon Richardson e Tom Johnson, que também saíram dos Seahawks e hoje estão nos Vikings.

Hoje a franquia de Seattle tem uma defesa bastante jovem e renovada, contando com novatos como Rasheem Green e Shaquem Griffin, mas sem dúvida nenhuma, esse é um ponto que deve ser explorado pelo nosso ataque.

Vale lembrar que os Seahawks sofreram 24 ou mais pontos, em 4 das últimas 5 partidas disputadas.

 

 

Pontos fortes Vikings: Por mais que o resultado do último domingo tenha sido uma derrota, é impossível não citar novamente nossa defesa como um ponto fortíssimo dessa equipe.

E dessa vez vale destaque para nossa secundária, que conforme citado no último preview, enfrentou nas últimas 5 partidas alguns dos melhores QB’s da liga, Aaron Rodgers, Mitchell Trubisky, Matthew Stafford, Drew Brees e agora Tom Brady. E os números desses craques não foram nada bons, um rating médio de 85.0 (muito abaixo dos números reais desses jogadores), com 5 touchdowns e 8 interceptações.

Agora iremos enfrentar mais um QB elite, e mais uma vez vamos precisar estar extremamente atentos com todas as possíveis leituras de jogadas e truques que Wilson possa tentar, com Xavier Rhodes, Harrison Smith, Trae Waynes e Anthony Harris jogando da maneira que estão jogando, a confiança ao lado defensivo do jogo é mais que importante.

 

Pontos fracos Vikings: É incrível como nosso ataque consegue ir do sensacional ao patético em apenas uma semana. Contra os Packers, Kirk Cousins, fez sua melhor partida com o Vikings, 342 jardas, 3 touchdowns e um rating excelente de 129.5. Latavius Murray e Dalvin Cook combinaram para 21 tentativas de corridas, deixando o ataque bastante dinâmico e fazendo as jogadas de play-action se tornarem um problema para a defesa adversária.

Adam Thielen, Stefon Diggs e Kyle Rudolph somaram 265 jardas totais e 2 touchdowns.

Já na semana passada contra os Patriots, Cousins conseguiu fazer sua pior partida com a equipe, 201 jardas, 1 touchdown, 2 interceptações e o pior rating do ano, 70.4.

Murray e Cook até conseguiram boas jardas terrestres, porém, correram em apenas 13 snaps, fazendo o ataque se tornar totalmente unilateral.

E Diggs, Thielen e Rudolph juntos tiveram apenas 115 jardas e um touchdown.

O grande problema não são apenas os números, e sim a inconsistência que esse ataque sofre semana após semana, nós nunca sabemos qual ataque entrará em campo. Esperamos que na próxima partida o ataque consiga permanecer constante e jogando bem, e que isso proceda para as demais partidas.

 

Jogadores contundidos:

 

Seattle Seahawks:

Minnesota Vikings:
 

Nomes ainda não divulgados, pelo jogo ser na segunda-feira apenas.

 

 

Para ficar de olho: 

 

Kirk Cousins – Sim, o campeão de aparições neste preview está aqui novamente, e dessa vez com olhares de desconfiança, pois realmente não sabemos o que esperar de Cousins na próxima partida.

Como já dissemos, o ataque mescla entre ótimas e péssimas partidas, e por mais que a falha não seja única e exclusivamente de Cousins (podemos por uma boa parcela de culpa disso no coordenador ofensivo, John DeFilippo), nosso QB precisa às vezes pensar fora da caixa e usar todo seu know-how e experiência para saber exatamente quando comandar o ataque e chamar a responsabilidade das jogadas para si mesmo.

Como por exemplo na última partida contra os Pats, quando em uma 4°&11, Cousins lançou uma bola numa rota slant para Laquon Treadwell, com um avanço de apenas 4 jardas.

Mais uma vez citamos aqui a qualidade de Cousins, mas um QB do valor dele, não pode ter partidas inconsistentes e nem intercalar entre bons e maus momentos dentro de um mesmo jogo.

 

Dalvin Cook - Mesmo não passando das 84 jardas, e sem anotar touchdown corridos na temporada, Cook fez provavelmente sua melhor partida no ano.

Infelizmente o RB foi pouco acionado em jogadas terrestres, apenas 9 vezes, mas conseguiu quebrar tackles, ganhar first downs e mostrar muita agilidade. Além disso, o jogador também recebeu 8 passes para 22 jardas. Cook aos poucos está mostrando o jogador de alto potencial que todos acreditavam que ele poderia se tornar, e seria ótimo para nosso ataque (que hoje é só o 30° da liga em jardas terrestres) se conseguíssemos impor o jogo corrido nos adversários.

 

Eric Kendricks – Contra a melhor equipe no jogo terrestre, nada melhor do que prestarmos atenção em um dos melhores LB’s de toda a NFL parando os RB’s adversários.

Kendricks é o líder em tackles da equipe desde 2015, e é um jogador extremamente importante e eficiente parando qualquer jogada corrida que fuja da linha defensiva e tente chegar em nossa secundária. Para se ter uma ideia, nossa defesa ainda não deixou nenhum jogador adversário passar das 100 jardas terrestres, e na lista de RB’s que enfrentamos podemos listar, Todd Gurley, Jay Jayi, David Johnson, Mark Ingram, Alvin Kamara e Jordan Howard (além de combinarem para apenas 2 touchdowns). E muito desse sucesso sem dúvida se deve a Kendricks.

 

Palpite do redator:

 

Vikings 24 x 21 Seahawks

 

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Redator VikingsFA: Gabriel Brandino  

Tags:

Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

MVP – Minnesota Vikings Podcast 055 – Vikings NFL Draft 2019

02.05.2019

1/5
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Vikings FA é um site sobre o Minnesota Vikings em português sem qualquer vínculo com o time da NFL. Toda informação contida no site é de responsabilidade do criador deste ou, quando traduzido, do autor de determinado texto e não reflete qualquer opinião do Minnesota Vikings, da NFL, ou qualquer outro time da liga.

© 2017-2019 por VikingsFA.